quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

Homenagem a 2008


E lá se vai o ano de 2008: cabeça erguida, sem olhar para trás. Em sua auto-suficiência, sabe que vai deixar saudades. Odeio inflar egos, mas não posso negar que sentirei mesmo falta de 2008. Foi um ano temperamental, mas apaixonante. Lembro que, no início, ele me olhava de cima, quase com desprezo, prometendo-me apenas um janeiro e começo de fevereiro de muitas festas. Nada mais. Sentia muito medo dele, do que me traria de novo, da incerteza, das provações. Foi um ano duro, que me fez amadurecer como nunca antes; como um pai severo, que deixa os filhos caírem para aprenderem sua lição. Caí muitas vezes, mas sempre segui em frente.

E por entre cada provação, ele me trouxe novos amigos e me fez cultivar os antigos. Manteve braços ao meu redor, conservando-me segura e confiante. Deu-me pequenos momentos inesquecíveis e grandes alegrias. Trouxe-me uma nova maneira de sorrir, logo após chorar. Foi confuso, intrigante, revolucionário. E tão simples! Um verdadeiro marco. E agora, ele se despede, com a mesma expressão orgulhosa que Meryl Streep esboça, no final de "O Diabo Veste Prada". E acena um breve adeus.

E lá vem vindo 2009, com um sorriso no rosto, braços abertos e muitas promessas. Devo confiar? Talvez não devesse, mas o sorriso é inevitável.


Aos meus amigos que aqui me lêem, desejo-lhes um feliz ano novo, quer ele lhes sorria, quer não. O futuro será sempre uma surpresa.

segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Nova Aquisição

Não tenho o hábito de ser consumista; mas, nessa época de fim de ano, é difícil resistir. Fiz minha última aquisição num impulso, sem pensar demais. Quando a vi, foi amor à primeira vista. Nem hesitei.

Quem me conhece, sabe da minha paixão e não estranhou, mesmo rindo bastante. Quem não sabe, bem, basta olhar a imagem do topo do meu blog para perceber. A imagem do layout antigo também tinha uma igualzinha. O fato de estar no fundo do mar, não me preocupa. Acho que fica até meio poético.

A joaninha veio de brinde.

sábado, 27 de dezembro de 2008

Atestado


Estou doente. Sofro de insuficiência respiratória, taquicardia e labirintite. Sinto dores insuportáveis. Certo dia, cheguei quase a desmaiar no meio do corredor, no lugar onde trabalho. Tenho alguns sintomas e diagnostiquei a mim mesma, porque ninguém mais soube fazê-lo. Os sinais são confusos, mas meu sofrimento é preciso. Estou doente, será que alguém pode perceber? É um absurdo, mas ninguém ainda descobriu uma maneira de aferir a dor.

Mas afirmo que meus pulmões doem, o coração quase salta do peito e o mundo gira, quando o vejo. Entenda, doutor, não posso mais encontrá-lo. Dê-me um atestado, invente uma doença incurável, mas faça com que eu não precise nunca mais pisar no mesmo lugar que ele.


"Invente uma doença

Que me deixe em casa pra sonhar"

(Me Deixa - O Rappa)

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

Presente de Natal

- Parte do Desafio dos 21 Dias, do blosque.com -


A palavra "presente", neste mundo consumista em que vivemos, tem adquirido um significado que condiz com o que o Natal acabou se tornando. Mas não é nisso que eu penso quando dou um presente; nem todo presente é material, caro, facilmente empacotado e embrulhado em papel celofane. Porém, se dado de coração, pode ser precioso. Quando Jesus nasceu, trouxeram-lhe presentes simbólicos. Foi daí que veio o sentido de se presentear as pessoas de que gostamos: para arrancar-lhe um sorriso, sem esperar mais nada em troca.

Neste Natal, vou (tentar) dar um presente especial. Este post é um presente para Andréia, do Solstícios, um blog que considero um dos melhores da blogosfera, escrito por uma pessoa que já considero uma amiga. Uma vez, li que, quanto mais afinidade você encontra num blog, mais próximo você se sente do autor. Isso aconteceu de fato.

Babações à parte, quem tiver curiosidade de entrar no blog, verá que não estou exagerando. Os textos de Déia são impressionantes; transbordam poesia, encanto, sentimento. Procuro o Solstícios sempre que preciso de inspiração e, invariavelmente, encontro. Consigo inspiração quase que enxergando onde ela conseguiu a dela, quando criou cada obra de arte. Um exemplo disso é o texto Árvore Ser, que já li dezenas de vezes, mas ainda me fascina.

Recém-chegada, li um texto chamado Bailarinas Brancas, a prosa-poética que me fez virar fã de carteirinha do blog e da autora. Não vou dizer sobre o que fala cada texto, porque, além de ser spoiler, às vezes a interpretação depende de cada um. É muito difícil escolher os melhores entre tantos textos, mas também indico Uma Dança em Caixa de Música, pelo qual me apaixonei. E, em homenagem ao Natal, cito o mini-conto Continho às Pressas. Sobre presentes, leia Mariazinhas.

Poderia citar tantos outros, mas esses já são suficientes para viciar. Sim, porque o Solstícios vicia. Dedico esta homenagem, este presente de Natal, a você, Déia. Considere como um agradecimento por todas as inspirações que você me deu, sem saber. Feliz Natal para você.


When it seems that we have lost our way

We find ourselves again on Christmas Day

If you just believe


* Update: o blog Solstícios agora está no Wordpress.

sábado, 20 de dezembro de 2008

A Fila


Eu tenho um problema sério de necessidade de espaço. Não gosto que falem comigo a menos de meio metro de distância (a não ser que tenham uma relação mais íntima, claro), não gosto que me toquem enquanto falam, não gosto de lugares apertados. É uma coisa como "cada um no seu quadrado" e esse aqui é MEU. Então, por causa desse probleminha, eu tento ficar longe de ônibus lotados e multidões. Mas jamais poderei escapar das filas.

Filas são necessárias e devem ser respeitadas, o que não acontece muito. Mas o pior é quando alguém resolve tentar fazê-la andar mais rápido. Empurrando. Pior ainda é quando a pessoa em questão se faz de idiota, quando você vai reclamar.

Aconteceu num belo dia em que fui ao teatro e peguei uma fila imensa no banheiro, no intervalo. Não tive escolha a não ser esperar, mas tomei o cuidado de conservar um bom espaço entre mim e a pessoa da minha frente, uma senhora de bengala. Atrás de mim, havia duas senhoras conversando. Papo vai, papo vem, entre as duas, uma se escora em mim. Reprimi um protesto dei um passo pra frente. A mulher, não satisfeita, volta a se escorar. Olhei pra trás de cara feia e ela não retribuiu o olhar; permaneceu tranqüilamente conversando com a outra, com a maior cara de inocente. Mais um passinho pra frente. E novamente ela se escora. Fechei os olhos pra conter a raiva e não me movi mais, claro, ou bateria na senhora de bengala à minha frente.

Então a senhora atrás de mim começou a empurrar, fazendo uma leve pressão, como se quisesse que eu andasse. Virei-me, já de saco cheio, e pedi licença. Em vez de pedir desculpas, ela reclamou:

- É essa fila que não anda!

Como sou uma pessoa educada, concordei e ainda sorri, mas insisti que ela se afastasse. Não deu um minuto para que ela encostasse de novo. Foi quando chegou minha vez do banheiro e salvou aquela pessoa - ou a mim - do resultado da minha irritação extrema. É nessas horas que eu penso: se eu fosse explosiva, seria uma pessoa muito odiada, mas pararia de engolir tanto sapo. Preciso pensar seriamente nessa questão.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Let the Seasons Begin


Quem não viu, deveria ter visto a mini-série Capitu. Não é todo dia que a Globo faz alguma coisa que preste; mas Hoje é Dia de Maria e Capitu - fora poucas outras - são algumas delas. Fiquei desconfiada quando ouvi rumores de que iam fazer uma série baseada na obra de Machado de Assis; mas, quando vi o comercial, o cenário e o diretor, soube que seria no mínimo memorável. Não estava errada.

Sábado foi o último capítulo da série e eu fiquei em casa para ver. Sim, eu em casa num sábado à noite não é coisa normal, mesmo se tiver acordado cedo. O fato é que só agora, depois de ler tantos textos sobre a série em outros blogs e já ter comentado quase tudo que eu queria dizer, tive oportunidade de sentar e escrever alguma coisa.

Não sei se aconteceu com todo mundo que assistiu, mas eu me arrepiava a cada cena em que começava a música Let the Seasons Begin, e Capitu adolescente começava a dançar como uma cigana. Que música é aquela, gente? Foi a música certa, escolhida a dedo. Inglês?, alguém pergunta. Inglês, sim, por que não? Gostei bastante das coisas que quebravam o ar de "antigo" da história: o celular, a tatuagem, o fone de ouvido, o metrô. Afinal, Dom Casmurro é um livro atual, que fala de coisas atuais, por mais que tenha sido publicado no fim do século retrasado.

Peguei o livro para ler outra vez. Não me importa se estava lendo outro; de vez em quando tenho essas idéias fixas. Vou ouvir a música e ler até enjoar. Se é que dá para enjoar.


Correção: O nome da música não é Let the Seasons Begin, mas Elephant Gun, conforme Déia me corrigiu nos comentários. Sorry, gente. E obrigada, Déia!

Lembrancinha de Natal

Ganhei mais um selinho, desta vez de Andréia, dos blogs Solstícios e Miríade. Ambos são blogs que acompanho sempre e adoro. Tenho que achar um lugar para deixar esses selinhos bem visíveis.

Adorei o presente, Déia! Feliz Natal para você!

domingo, 14 de dezembro de 2008

Calendário 2009 - A 21ª Tarefa

E, finalizando o Desafio dos 21 Dias do blosque, foi proposta a tarefa de listar um calendário para o ano que está por vir, com os dias mais importantes e os que não poderão ser esquecidos. Vou anotar todos na minha agenda de 2009, que ainda não comprei. Nesses dias, meu blog não poderá passar em branco:


- 25 de fevereiro: Quarta-feira de Cinzas. Sobre o Carnaval.

- 8 de março: Dia Internacional das Mulheres. Achei essa boa idéia no blog da Gaborin Gaboriela.

- 12 de abril: Páscoa. Sobre a Semana Santa.

- 29 de junho: Meu aniversário.

- 1º de julho: Aniversário do Do Fundo do Mar. Idéia da Nospheratt, achei bem legal.

- 20 de julho: Dia do Amigo.

- 31 de agosto: Blog Day. Participei em 2008 e achei muito interessante.

- 21 de setembro: Dia da Árvore. Tenho uma veia ambientalista.

- 25 de outubro: Dia do Dentista. Uma pequena homenagem merecida.

- 24 de dezembro: Natal.

- 31 de dezembro: Ano Novo.


Além disso, não listei porque não sei o dia, mas participarei do Desafio dos 21 Dias de 2009. Sem sombra de dúvidas. Adorei participar de tudo isso; aprendi tanta coisa e fiz o que sempre ficava adiando. Já estou até me sentindo meio órfã por ter acabado. Obrigada por tudo, Nosph!

E... Estou pronta, 2009. Comece quando quiser.

Faça Sua Sidebar Brilhar - A 5ª Tarefa

- Parte do Desafio dos 21 Dias do blosque -


Não ia fazer essa tarefa. Já tinha dado uma boa renovada na minha sidebar durante todo o desafio. Acontece que fui tendo outras idéias e saí registrando; além do que não queria deixar um desafio sem cumprir. Fiz algumas modificações na sidebar nessa reta final.

Estava olhando alguns blogs e vi uma ferramenta de tradução. Achei legal. Faltava também um local pras pessoas poderem clicar e assinar o feed. Claro que a figura de Natal é temporária, já tenho outra para colocar no lugar. Coloquei também uma ferramenta de busca, que sempre achei útil e só agora resolvi incluir. (Clique para ampliar.)

Fora isso, só mudei alguns títulos das sessões. Acho que ficou melhor. (Clique para ampliar.)

Consegui muita coisa legal dando uma olhada no Templates Novo Blogger.

Estou quase acabando o desafio.

2009: Objetivos e Resoluções - As 19ª e 20ª Tarefas

Esta também é mais uma etapa do Desafio dos 21 Dias do blosque. Como acho que se completam, resolvi fazer um post só para as duas tarefas.

Objetivos:

Não mais apenas um "cano de escape", o Do Fundo do Mar agora vai se dar ao luxo de ter objetivos maiores. Primeiro de tudo, eu tenho que cuidar desse layout. Não que eu não goste do layout, mas eu queria um com 3 colunas ou com aquela barrinha superior útil. Aliás, acho que prefiro a barrinha. Não sei como fazer isso, mas conheço gente que saberia me dizer.

Outro objetivo é participar das blogagens coletivas legais que aparecerem. Esse ano, deixei passar o Dia Mundial de Luta contra a AIDS e o Outubro Rosa, mas não deixarei no próximo. São causas que justificam minha vontade de participar.

Além disso, pretendo cumprir todas as proposições que fiz para criar comunidade no meu blog. E essas serão cumpridas logo.


Resoluções:

Acho que "levar o blog mais a sério" é a resolução de um monte de gente. Eu confesso que passei um tempo sem levar, mas esse desafio me fez enxergar o quanto o blog foi meu companheiro neste ano que acaba. Portanto, minha primeira resolução é continuar levando o blog a sério.

Logo depois dessa, está: escrever mais. Sério, não acho que estava me empenhando realmente em textos para o blog; postava os que tinha guardados, partes de contos longos e afins. E tentarei agora fazer textos exclusivos, não só fazer do meu blog uma "galeria de exposições" de contos aleatórios e poemas.

Além disso, uma resolução é continuar fazendo amigos pelos blogs por onde passar. Descobri muita gente legal neste ano. Também não posso perder essas pessoas especiais do meu "convívio blogueiro". Outra resolução é jamais criar inimizades ou discórdia pelos blogs. Nunca o fiz, mas não custa reforçar.

Por último, vou fazer uma promessa a mim mesma de não largar o blog em 2009. Muita coisa poderá acontecer, mas eu não desejo largar este cantinho que foi meu companheiro em tantas noites insones. Quero me prometer jamais esquecer disso.

sábado, 13 de dezembro de 2008

Balanço do ano - A 18ª Tarefa

- Continuando o Desafio dos 21 Dias do blosque -


Em três palavras: valeu a pena. Como minha única expectativa inicial e proposta pessoal do blog era mesmo ser um "cano de escape", só posso dizer que funcionou maravilhosamente. Houve anos em que estabeleci o objetivo de escrever os acontecimentos de cada dia num caderno e sempre terminava querendo jogar o caderno pela janela. Isso aqui não deu trabalho; não um real trabalho. Talvez um trabalho prazeroso. Eu, que achava que não ia ter tempo para nada, me vi compondo um blog inteiro, sem maiores problemas. Tomou-me algum tempo, mas era um pedaço de tempo ocioso, em que eu, quem sabe, fosse me viciar em novela, comer ou ficar no MSN. E eu usei de maneira útil, me divertindo e, acredito, divertindo outros.

Não houve nenhuma meta que não cumpri, pois não tracei metas. Fui fazendo tudo despretensiosamente e, por instinto, cheguei até aqui. Apreciei o que o Do Fundo do Mar significou este ano, pois ele superou minhas expectativas. Agora, que penso mais alto, tenho alguns objetivos para 2009. Mas isso é papo pra outro post.

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Criando uma comunidade - A 17ª Tarefa

- Mais uma do Desafio dos 21 Dias do blosque -

Acreditei realmente que ia passar essa tarefa. Não tinha nenhuma idéia de como resolver e já tinha decidido não insistir mais. Mas terminei lendo alguns blogs, só por curiosidade, e consegui "pescar" a intenção. Certo, eu não consigo desistir tão fácil. Não vou passar essa.

Das tantas sugestões de como criar uma comunidade, não foram muitas as que eu consegui relacionar ao Do Fundo do Mar. Comunidade no Orkut está fora de questão; o que eu mais prezo neste blog é seu distanciamento com esse site de relacionamentos (não que eu não goste dele, qualquer dia eu falo sobre isso). Além disso, o blog não tem esse assunto todo para poder ser discutido num fórum. Boas idéias, eu achei nos Memes, Selinhos, Scrapbooks e Seguidores.

Sempre vejo muitos memes em blogs alheios, mas nunca me animo a postar um aqui. Eles são geralmente pessoais demais. Só que, nos últimos dias, achei uns bem legais, criativos, divertidos. A intenção é essa, servir como instrumento para unir pessoas, não para falar da nossa vida. Outra coisa que dá para aprender com esses memes é a "arte de se esquivar de perguntas a que não se quer responder". Respondi a um questionário, um dia desses, que me diverti mais sendo evasiva do que realmente respondendo.

Outro item interessante é o selinho. Sempre faço meus próprios banners, mesmo sendo bem no "acochambration", e acredito que não será muito complicado pensar num selinho pro Do Fundo do Mar. Basta separar alguns minutos para pensar a respeito.

Um pequeno grupo de seguidores, eu já tenho. O negócio é que ainda não me familiarizei com o assunto, já que prefiro assinar feeds, o que é bem mais prático. Mas começarei a fazer parte dos grupos de seguidores dos blogs que freqüento e colocarei o widget pra seguir o blog. (Respondi à sua pergunta, V.H.?)

A idéia do scrapbook, vi no blog da Gaborin Gaboriela e achei a proposta muito interessante. Segundo ela, é uma maneira de o leitor deixar seu recado sobe o blog, sem exatamente vincular o comentário a um post específico. Acho que isso tem um diferencial legal, em relação aos comentários normais.

Não poderia deixar de fora o Twitter, de que já participo. O legal do Twitter é o fato de você ler pequenos recados de algum autor, não sendo somente os poemas, textos grandes e revisados. É uma conversa, não uma exposição de arte. Acho mais real. O problema é que ainda não cheguei a sair procurando os autores dos vários blogs que acompanho. Sigo apenas poucas pessoas e nem sou tão assídua assim.

Bom, acho que cumpri a tarefa, certo? E foi até bem interessante, uma superação de obstáculos. Começarei a pôr em prática as propostas logo que puder.

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

Fala, garoto - A 13ª Tarefa

- Mais uma do Desafio dos 21 Dias do blosque -


Certo, quem pode me ajudar nessa tarefa? O microfone agora está aberto às sugestões de vocês. A pergunta é a seguinte: o que vocês esperam ver no Do Fundo do Mar em 2009? O que mais gostariam de ler aqui? Contos, poemas, crônicas? Inventem, pode ser qualquer coisa que tiver ligação com a proposta do blog. Além de votar na enquete, deixem seus comentários neste post. Desde já, agradeço pela colaboração.


Uau, nunca fiz isso de conversar com o leitor antes... Marina explorando novos horizontes. Vamos ver no que dá.

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

Workflow - A 16ª Tarefa

- Parte do Desafio dos 21 Dias do blosque -


A tarefa de hoje consiste em definir um fluxo de trabalho para facilitar as postagens. Sou péssima em me organizar por horários, ainda mais para atividades que não são obrigatórias, como trabalhar no blog; mas vou tentar ser mais disciplinada, no próximo ano. Esbocei a seguinte agenda:


Diário:

Durante a manhã e tarde:

- Ler comentários.

- Ler os blogs dos comentários e comentar.

- Anotar idéias para posts na minha agenda (a de papel mesmo).


Durante a noite:

- Ler alguns blogs atualizados no leitor de feeds e comentar.

- Ler e-mails e responder.

- Anotar idéias para posts no notepad Idéias.

- Escrever textos, salvar na pasta Futuros.


Semanal:

- Postar de 2 a 3 posts por semana.

- Atualizar blogs no blogroll.


Durante o dia, aproveito os intervalos no trabalho para dar uma olhada no meu blog, ler comentários e dar uma lida em alguns blogs que estão mais à mão. Nessas horas, faço as coisas mais práticas, que estão ao meu alcance, mais como distração. Sempre estou com a agenda na minha frente para anotar o que aparecer de interessante.

À noite, já entro com outro ânimo, afinal tenho mais inspiração (e tempo) nessa hora. Entro no Bloglines, dou uma olhada nos blogs atualizados, leio e comento. Sempre comento, porque adoro comentar. Não é por obrigação; gosto de interagir, é uma das coisas que mais gosto em blogs. É nessas horas também que leio outros comentários nesses blogs e conheço blogs diferentes. Minha lista de feeds já cresceu, desde a última faxina.

É hora também de ler e-mails. Raro um e-mail da minha caixa ter algo a ver com o blog, mas acontece. E também encontro lá algumas idéias de postagens interessantes. Então, todas as idéias - inclusive as da agenda -, passo para um arquivo de notepad chamado Idéias. Se me der vontade de escrever nesse dia, coloco na pasta de Futuros, para analisar depois se vale a pena postar.

Durante a semana, analiso alguns dos meus textos na pasta Futuros e posto, associando a alguma imagem. Criei o hábito de associar imagens, porque é assim que formo um texto na minha mente. Tento passar essa idéia com mais exatidão possível. Agora, estou tentando pegar imagens autorizadas.

A minha meta de posts é de 2 a 3 posts por semana. Nunca tive a intenção de fazer mais que isso. Acho que está de bom tamanho, para um blog como o Do Fundo do Mar. O blogroll, eu atualizo de vez em quando, removendo e adicionando blogs, dependendo do rendimento da semana.


Não vou me enganar; haverá dias em que não conseguirei seguir esse roteiro à risca, afinal nunca tive dom para cumprir compromissos que marco comigo mesma. Acho que é porque não decepciono ninguém assim. De qualquer maneira, estou assumindo o compromisso. A intenção deve valer.

Retrospectiva Top 12

- Parte do Desafio dos 21 Dias do blosque -


Fim do ano chegando, vem a necessidade de relembrar. Poderia lembrar das muitas coisas que aconteceram, do que aprendi, do que senti falta, do que valeu a pena, do que jamais vou deixar acontecer outra vez. Mas a retrospectiva deste ano será diferente; hoje, eu vou recordar posts antigos. A idéia é escolher 12 dos meus textos do blog, os quais representariam cada mês do meu ano aqui neste blog. Eu poderia fazer isso, não fosse o fato de que este blog, como já foi dito, não completou um ano. Ainda assim, pretendo listar 12 textos; mas, como não tenho meses suficientes, farei diferente.

Um dos meus primeiros textos neste blog é Insensível. Foi escrito e postado em Fevereiro no outro blog e, neste, em Julho. Não é autobiográfico, apesar de eu já ter sido acusada de ser insensível algumas vezes. Às vezes, eu concordo. Outras vezes, até gostaria de ser tão insensível quanto dizem. Preservação, sabe? Um texto escrito em Julho mesmo, é o Meu Leitor de CD/DVD. Como já diz um dos marcadores (fatos), o texto aconteceu realmente. Como diz outro (humor), não sou humorista, mas minha vida é uma comédia.

Em Agosto, escrevi um texto chamado Até onde a vista alcança, uma espécie de devaneio, meio filosófico, meio real. Escrevi num daqueles dias (ou madrugadas, como quiser) em que você se sente particularmente poética, como se a inspiração (e a insônia) não tivesse mais nada para fazer da vida, a não ser ficar voejando de bobeira em cima da sua cabeça. Isso lá pelas 5h da manhã. Eu mereço.

Em Setembro, postei o conto Vitrine. Sem dúvida, o meu preferido. Escrito por volta do mês de Março (infelizmente não datei), foi o primeiro post neste blog a chegar aos 20 comentários, o que me deu um susto enorme. Sabe quando você realmente gosta de algo que faz? Foi o que eu senti quando terminei de escrever esse conto, no começo do ano. Um dos meus poucos momentos de brilhantismo.

Déjà vu aconteceu, foi escrito e publicado em Setembro. É mais um dos marcadores fatos e humor, envolvendo minha vida-comédia. Hoje, além de post, é uma história que eu vivo contando. Volta e meia, alguém me diz "ah, eu li no seu blog" e eu fico entre feliz e frustrada, por não poder contar o acontecido.

Outubro foi um mês inspirador também, de onde surgiu o post com mais comentários ever: Poeta. Não acho o texto essa coisa toda, mas concordo que tenha algum charme; ainda mais porque eu falo de música, de samba. É um grande pedaço de mim que está ali, sem dúvida. Talvez por isso nem goste tanto.

Postado em meados de Abril no blog antigo e em Outubro neste aqui, o texto Gente Humilde já mudou de nome alguma vezes, sempre pelo mesmo motivo: entregavam o texto. O primeiro título era a essência do texto, o que jamais quis deixar nomeada. O segundo título virou marcador e, quando isso aconteceu, eu troquei. Pode parecer "mudar a identidade" do texto, mas não acho que tenha sido o caso. Algumas pessoas mudam de nome, ou de apelido, depois de velhas. A personalidade permanece.

No início de Novembro, contei um fato que ocorreu no finzinho de Outubro, no texto Sobre Viver. Não considero muito bom, mas é um marco para mim. Fala de esperança e fé.

Dezembro acaba de começar e eu indico um texto que ainda será postado, no dia 27: Atestado. É um conto não-autobiográfico, como todos os meus contos. Esperem por ele; não quis postar antes para não atrapalhar o desafio.


Nesses 3 últimos posts favoritos, eu resolvi listar textos excelentes de alguns conterrâneos e amigos meus, em seus blogs. Decidi por conterrâneos porque ainda não tive a oportunidade de demonstrar o meu amor pela minha terra neste blog e não queria terminar o ano sem deixar isso claro. Passeio por Olinda, do blog Semi ironia ou sem ironia?, de ZeH, são pequenas frases (como tudo lá) com comentários que me fizeram rir. Sala de Espera, do blog Sementeiras, de Magna, é o primeiro post que li no blog e o de que mais gosto. Historinhas de Carnaval, do blog Ao perdedor, as pancadas, de Alisson, fala do nosso carnaval, que é, de longe, o melhor do país. De longe.


São apenas palavras. Textos. Versos. Tudo o que eu tenho. Parte de mim, do meu ano, da minha cidade, dos meus amigos. Sim, é bom lembrar. Porque ainda há coisas boas para serem guardadas.

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

Blog de Conteúdo

Gente, que emoção! Olha o que eu ganhei!

Queria agradecer a Barbarella pelo carinho e dizer que vou sentir saudades, quando ela sumir. Conheço o Barbarella's Blog há pouco tempo, mas é incrível como a gente se acostuma fácil com as coisas boas da vida.

Linda, muitíssimo obrigada pelo selinho e boa viagem!

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Jogo dos 7 Erros - A 11ª Tarefa

- Parte do Desafio dos 21 Dias, do blosque.com -


No decorrer do ano, nós vamos errando e percebendo os erros que cometemos. Isso não só no que diz respeito à nossa vida, mas no blog também. Por mais que esperemos fazer tudo certo, sempre tem alguma coisinha que escapa. Então, nos redimimos, pedimos desculpas e consertamos, se houver conserto. Com alguma vergonha, mas sabendo que sou humana, listei alguns errinhos:


- Não dar créditos às imagens. Gente, é horrível, eu sei. É um erro que ainda vivo cometendo e não consigo parar. A maioria das imagens que posto é de uma pasta de imagens que tenho no computador, da época que pegava sem ligar para nada. Mas há algumas imagens que se encaixam tão bem em cada texto, que eu chego a escrever pensando nelas. Peço desculpas e agora estou sempre pesquisando como usar cada uma que eu pego. Estou me redimindo, mas é difícil.

- Passar tempo demais sem atualizar. OK, é uma coisa que tenho tentado mudar ultimamente e o desafio tem me ajudado com isso. Tentarei ser mais assídua no ano que vem.

- Ter esquecido momentaneamente este blog por conta da criação do Palavras de Papel. Não que o PDP não merecesse essa atenção, mas tinha muita gente que esperava por textos novos aqui e eu negligenciei mesmo, quando o novo projeto começou a funcionar e precisou de divulgação. Cheguei a cogitar acabar com o Do Fundo do Mar, mas um amigo não me deixou fazê-lo. Obrigada, ZeH. Agora, acho que dou igual importância aos dois. Pensando melhor, com esse desafio, acho que é o PDP que está negligenciado.

- Entender tanto de html quanto homens entendem de mulheres. É um erro que confio em Ninguém pra me ajudar a corrigir. Eu sempre berro o nome dele no MSN, quando tenho algum problema, e ele sempre me dá umas dicas legais. Apesar disso, ainda me sinto aprendendo a falar grego.

- A resistência em mudar o layout básico. Eu queria mesmo mudar, mas tenho medo de mexer uma vez, mudar tudo e não conseguir manipular mais, como — milagrosamente — ando conseguindo. Uma amiga tentou me ajudar nisso, mas fui tão resistente que acho que cheguei a ser chata. Perdoe-me, Layla.


Bem, não consegui achar 7 erros. Mas o blog é tão novinho, gente, só tem seis meses. Está certo que a minha ignorância é enorme; mas, além disso, ele é relativamente simples, em comparação a outros blogs que vejo por aí. Só espero aprender com esses erros e cometer menos, no ano que vem. "Vivendo e aprendendo", já dizia alguém, que vai ficar sem crédito...

Meu ano em imagens - A 7ª Tarefa

- Parte do Desafio dos 21 Dias, do blosque.com -


Eu sei que estou passando tarefas umas na frente das outras, pois ainda faltam algumas antigas a serem cumpridas. Talvez para alguns esta 7ª tarefa tenha sido mais simples; mas para mim foi trabalhosa e eu só consegui terminar agora. Não posso negar: foi, de longe, a mais divertida.

Como este blog ainda não tem um ano, fiz uma retrospectiva do meu ano com blogs; desde a época do Weblogger, a transição para o Blogger e minhas impressões até agora. Acredito que tenha ficado interessante. Confiram:


Meu ano em Imagens
View SlideShare presentation or Upload your own. (tags: blog mar)

Mil perdões por não dar os créditos às imagens; a maioria, eu peguei há tantos anos, que nem sei onde procurar. Perdoem-me e considerem que este blog não tem fins lucrativos.

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Good Blogs Hunting


Hoje, passei grande parte do meu tempo livre procurando blogs desconhecidos, interessantes e que tivessem algo a ver com o Do Fundo do Mar, para a 9ª tarefa do Desafio dos 21 Dias, blosque.com. Quando soube da tarefa, achei que seria fácil... Bem, nem tanto. O que estou procurando, afinal? Blogs pessoais, textos, contos, poemas. Poderia citar vários ótimos, dos que leio, mas a regra era listar três blogs inteiramente novos para mim. Bom, iniciei a pesquisa.


Now searching... Please wait.


Encontrei o Barbarella's Blog em um outro blog que freqüento, o "Diários Roubados". Barbarella é uma das autoras desse blog e, na minha pesquisa, acabei clicando em seu nome. Como acabei de chegar, ainda estou me familiarizando com o ambiente. Mas uma coisa ninguém pode negar: não tem como entrar e não sentir a personalidade da autora em cada recanto, do layout aos comentários de rodapé. Repleto de contos, poemas, diálogos, metáforas, vale a pena acompanhar seus posts. Sem dúvida, é um blog com personalidade.

O Pássaros que Voam é o retrato de um blog em homenagem à liberdade. Sim, porque é isso que você sente logo que entra e vê a imagem do topo: braços abertos, como alguém que não tem medo do futuro, do que o vento possa trazer. Há coisa mais linda, mais preciosa que a liberdade? Viver sem amarras, sem limitações. Esse é um blog pessoal, um blog de vida, inspirador. Pessoalmente, acho que só faltava ser branco. Branco é a minha cor da liberdade. Branco e azul, como o céu.

Como a própria autora descreve, o Respirando-me é um manual confuso de sua própria vida. Pâmela desfia, com humor e textos bem escritos, vários tópicos de "how to...". Mas não só isso: lá você também encontra textos e contos. E contos são sempre os meus favoritos, desta eterna devoradora de histórias. Não é por acaso que os contos estão lá; de cada um você também poderá tirar uma lição e deduzir seu próprio "how to...". Identifiquei-me com o blog. Como não poderia?


Fiquei satisfeita com a minha pesquisa. Afinal, blogar é isso mesmo: aprender novos endereços, ir a outros blogs, ler outros textos, que não aqueles que você já espera ler num blog conhecido. É fazer novos amigos, testar suas reações, sentir suas palavras. Só assim você percebe que há tanta coisa legal e diferente para se ver. Outras palavras, novos universos. Uma eterna descoberta.

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Aprendendo a blogar - A 4ª Tarefa

- Mais um post da série Desafio dos 21 Dias do blosque.com -

O ano de 2008 foi (e ainda está sendo) um ano de muitas descobertas na área de blogs. Se alguém tiver a curiosidade de ver o arquivo, este blog data de julho de 2008, o que não quer dizer exatamente que essa seja a idade dele. O Do Fundo do Mar nasceu originalmente no falecido weblogger e teve que se mudar pra cá às pressas, quase fugido, quando o servidor sumiu do mapa. Alguns dos meus blogueiros relacionados mais antigos, que hoje são queridos amigos, devem se lembrar desta época.

Engraçado que a criação do Do Fundo do Mar foi uma espécie de resolução de ano novo, pois eu sabia que minha vida ia mudar demais em 2008 e eu soube que precisava criar algo para me comprometer a continuar criando, mesmo quando o trabalho apertasse. Não sei em que período de dezembro de 2007 ele foi criado, mas só começou a valer no começo de 2008. Então, posso dizer que tudo o que sei sobre blogs, aprendi este ano. Mas só bem depois de ter me mudado e me estabelecido no blogspot que comecei a mergulhar de verdade e ficar viciada.


A minha lista pessoal de 5 coisas que aprendi sobre blogs em 2008:

- A praticidade dos feeds, em vez de listar meus blogs favoritos na barra lateral ou nos favoritos do IE ou Firefox. Gente, como uma pessoa pode sobreviver sem leitor de feeds?

- Eu posso passar a tarde rindo e me distraindo, sem enjoar, apenas navegando por blogs diferentes. Não sabia que existiam tantos blogs realmente divertidos e tanta coisa diferente e útil para se ler.

- Comentários do tipo "oi, que blog legal" são um saco. Comentários genéricos em geral me irritam. Não custa escrever uma linha que seja sobre o que se acabou de ler. Se não está a fim de ler, não comente. Ninguém está cobrando nada.

- Escrever para outras pessoas lerem e comentarem me deixa, ao mesmo tempo, realizada e com medo. É estranho estar susceptível a críticas de todo tipo, além dos elogios. Mas é bastante gratificante ver que muita gente pode gostar de um post pelo qual você não daria um centavo.

- Como em qualquer lugar que você vá, sempre tem um fdp; gente que entra nos blogs alheios para insultar e plagiar sem a mínima vergonha (ou com alguma vergonha, visto que nunca se identificam). E que, inesperadamente, alguém pode lhe oferecer um ombro e um sorriso, sem sequer conhecê-lo. Que você pode admirar pessoas cujo nome nem sabe.


E, no final, vejo que ainda tenho muito que aprender. Tem coisa mais emocionante que se sentir viva?

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Usabilidade - A 3ª Tarefa

Dando continuidade ao Desafio dos 21 Dias, hoje é dia da terceira tarefa: melhorar a usabilidade do meu blog. Certo, desta vez eu estou realmente perdida. Gente, meu blog é um ovo; simplesmente não achei como melhorar a usabilidade dele. Na verdade, acho que isso seria legal fazer no meu outro blog, sem valer nada mesmo. E olha que passei os intervalos do trabalho inteiros lendo sobre como fazer isso. Então, pensei, será que devo desistir da terceira tarefa do Desafio? Não, não a Marina que eu conheço.

Vejamos, eu deixo clara a proposta do meu blog para quem eventualmente possa entrar? Acho que qualquer um que entre vai saber que o blog não tem exatamente uma proposta; ele só expõe coisas que eu escrevo, sejam contos, fatos engraçados, pensamentos ou frases. Vejamos como melhorar isso.


  • Criando uma proposta:

Como até mesmo o nome do blog tem a ver com a minha pessoa, atualizei o "quem sou eu" e acima dele coloquei a proposta do blog. Para mim, não mudou muita coisa, porque eu continuo achando óbvio. Tipo de coisa que se faz para quem quer tudo mastigadinho.


  • Área de melhores do blog:

Nunca vi a necessidade de criar algo assim, mas achei interessante para destacar desde posts que, pessoalmente, gosto àqueles que receberam mais comentários. Número que não é grande coisa pro mundo, mas é para mim.


  • Botões:

Criei um botão para o meu projeto Palavras de Papel (o tal "outro blog" que eu citei acima), que fica sempre com um link na barra lateral. Acho que dá um charme maior à propaganda.


Desenterrando, você sempre acha o que fazer. Eu só não posso deixar um desafio pela metade, certo?

terça-feira, 25 de novembro de 2008

Ordem na caixa de ferramentas - A 2ª Tarefa

No post passado, eu falei que gostava de deixar as coisas sempre em ordem. Acontece que nem sempre a gente consegue comer e lavar o prato logo em seguida, então sempre tem um lixinho aqui e ali. O caso do meu computador é parecido com o do meu quarto: por fora é um brinco, mas sai de baixo quando abrir a porta do armário. Então, a tarefa agora é organizar as ferramentas que eu uso para blogar, para facilitar a minha vida quando for procurar as coisas nas minhas pastas.

Comecei pela minha pasta de textos, organizando-os em postados, futuros e inacabados. Os postados são, obviamente, todos os textos que estão hoje no meu blog. Os futuros são os que tenho total intenção de postar, um dia. Os inacabados são aqueles que não cheguei a concluir, os que precisam ser reescritos e aqueles que têm uma idéia legal, mas o texto ficou realmente ruim. Enfim, são os que podem ser reaproveitados de alguma forma. O resto foi tudo pro lixo. Fiquei surpresa quando encontrei minha lixeira com 76 arquivos no final da limpeza.

O e-mail foi fácil, nem demorei muito. As mensagens não lidas contavam em 18. Respondi algumas e excluí tudo.

Depois foram os feeds. Não tenho tanto tempo de feed, mas é impressionante como a gente acumula. Antes da faxina eram 73 feeds. Agora tenho 64.

Agora é hora da dor: Minhas Imagens. É a pasta mais maluca e cheia de pastas dos nomes malucos. O que você diria de uma pasta com o nome "Mistic"? Pode acreditar, são fotos de plantas. Por que eu coloquei esse nome? Vai saber. Acabei de olhar a lixeira (esvaziada desde a parte dos arquivos de textos); 526 arquivos. Oh, dor! *Esvaziando a lixeira*

Enfim, foi uma faxina legal, para começar o ano mais organizada. Só me resta arrumar coragem e fazer o mesmo com o meu quarto. No computador dá trabalho, mas pelo menos eu fico sentada. Preguiça mode ON.

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Faxina no blog - A 1ª Tarefa

Mais com o objetivo de me divertir, entrei no Desafio dos 21 Dias do blosque.com, que começa hoje. Fiquei sabendo através de um amigo e achei divertida a idéia, além de ser uma espécie de ritual de fim de ano. E como eu adoro rituais de fim de ano, nem cogitei ficar sem participar.


Iniciando a faxina:

Logo que vi a tarefa, fiquei meio perdida. Sempre costumo deixar meu blog em ordem, pois minha vontade de blogar diminui cerca de 80% quando tem algo errado lá. Inspiração já vem com dificuldade, imagina se eu piorar a situação. Apesar disso, achei alguns pequenos probleminhas, quando fui fuçar. Vou fazer uma lista:


  • Imagem do topo: antes de carregar a imagem do topo do layout que eu adotei, aparece uma outra imagem do fundo, própria do layout. Incomodava, principalmente quando pegava algum pc lento. Não achei uma maneira de colocar o "depois", já que o errinho sumiu.


  • Blogs favoritos: alguns dos meus blogs favoritos da barra lateral foram inativados ou mudaram de url. No "depois" está um blog que mudou a url, que agora está correta.


  • Caixa de comentários: a imagem ainda era a do layout antigo. Mudei o layout do blog há um mês, tinha que mudar o dos comentários também, não é?


  • Twitter: é coisa nova para mim, mas vamos fazer funcionar desde agora. Estava como link apenas. Agora eu coloquei para mostrar updates.


Ufa. Acho que a primeira tarefa está cumprida. E que venha a próxima.


sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Ondas


Ondas refletindo a luz do sol, douradas ondas. Agitando-se com o vento fresco, brilhando graças à vida que havia abaixo delas. Mais profundamente àquela superfície, existe um lugar de muitas histórias e cheio de surpresas. Seres que não se encontram em parte nenhuma do planeta; um lugar de muitas aventuras, aonde se pode mergulhar e de lá jamais sair.

Um eterno enigma, maior que qualquer outro. O mistério abaixo daquelas ondas é aquele que intriga muitos homens desde o início dos tempos. É a canção de milhares de marinheiros, também a perdição de muitos. Um lar ou uma prisão. Um túmulo ou uma vida eterna. Em meio a esse turbilhão de emoções, com lágrimas de sal, quem poderá definir?

Ondas emoldurando um rosto úmido, sedosas ondas. Jovens demais para se quebrarem em espumas brancas. Humanas o suficiente para permanecerem douradas, mesmo quando o sol se for.


* Imagem: pintura a óleo por Carol Thompson.
* Agora é verdade: atualizações no Palavras de Papel.

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Pão e Circo


E lá ia ela, passeando pela calçada de sua casa, mal se agüentando em cima das pernas rechonchudas e pálidas. Tinha formas bem roliças, de modo que a pele ficava esticada por cima de todo aquele tecido adiposo em excesso. Era visível o esforço que fazia para equilibrar-se e mais óbvio ainda era o motivo pelo qual ela era tão branca: levantar-se para caminhar ao sol devia ser um martírio sem tamanho.

Mesmo assim, com um legging justo, moletom extra G e tênis, ela caminhava. Sabia que era um hábito saudável e, juntamente com a saladinha do almoço e as barras de cereal, faria muita diferença na bastante divulgada dieta que começara no início da semana. Desta vez, optara por uma dieta mais radical: suco de laranja no café da manhã, salada verde no almoço, barra de cereal no lanche e sopa de verduras no jantar. Nada de pães, bolos ou doces. E adeus, chocolate.

Eu diria que ela logo passaria mal, se eu não soubesse que a famosa dieta é uma farsa, desde que começou. É de dar pena a maneira como ela passa fome na frente das pessoas, enquanto se esconde para comer os bombons que comprou mais cedo. Ainda no primeiro dia, passou na padaria, encheu uma sacola de pães doces e levou para casa. Virou motivo de gozação no bairro.

E lá ia ela, caminhando pela rua de sua casa, com um pacote de doces embaixo do braço e a equivocada certeza no sucesso do número que montou no picadeiro de sua vida.


* Não perca a continuação do projeto Palavras de Papel.

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Adeus


Eu queria tanto dizer: "Desta vez é diferente."
Mas eu apenas digo: "Não deu certo. Outra vez."


* Não deixe de conferir a continuação do projeto Palavras de Papel.

domingo, 9 de novembro de 2008

Esperança


O vento brincava com seus cabelos, enquanto ela esperava em cima da rocha, com o olhar fixo no horizonte. A qualquer momento um navio, jangada, caiaque, ou quem sabe uma garrafa apontaria naquelas águas turvas e agitadas do oceano ilimitado. Traria uma mensagem singular, enigmática, mas que ela compreenderia, como se fosse falada ao seu coração. Fosse em italiano, alemão, élfico ou russo, ela entenderia. Não havia ainda um código no mundo que um coração não decifrasse e que não traduzisse para uma só linguagem. A dos sentimentos.

Ela sabia que essa mensagem viria. Não importava quantos já esperaram por ela e acabaram desistindo no decorrer do tempo. O tempo era relativo; aliás, ele não existia naquele lugar. Ali só havia um intervalo entre uma existência e outra, não se podendo chamar de tempo. Tempo era só depois; tempo se passava. Tempo se media no relógio. O intervalo era interminável, quase infinito. O infinito não se conta. Os números que o contariam, decidiram-se por ser infinitos.

Sem nem sequer um estímulo para continuar, nenhum recado, nenhum aviso, nenhum e-mail, ninguém entendia como ela não desanimava, como prosseguia com tamanha coragem naquela espera eterna. Embora pudesse desistir e, quem sabe, devesse desistir, ela sentia que não havia escolha. Era seu propósito, sua missão. Sonhara com aquilo desde quando descobrira o sentido. O que significava para ela; talvez não o mesmo que significasse para outros tantos que desistiram. Talvez por isso abatiam-se, abandonavam a espera. Desistiam, porque não o desejavam como ela.

Outros tantos, enlouquecidos na espera sem futuro, lançaram-se apenas com o corpo de cima das pedras, mergulhando à procura da almejada resposta. Nadando de encontro às ondas inquietas, de onde não retornava nenhum alento. Depois das ondas, só o vazio. Pereceram dessa maneira, mas ao menos puseram um fim ao sofrimento. Na angústia de submeter-se a tal destino oco. Sem expectativa, sem futuro. Sem nada.

Mas ela continuava impassível em seu posto de vigília, em cima da rocha, a esperar… A crer… A sonhar… Eternamente.


* Não percam as mensagens e as respostas às cartas no Palavras de Papel.

* Escrevi este texto em 2006. Encontrei aqui e resolvi compartilhar.

terça-feira, 4 de novembro de 2008

Sobre Viver

A roseira da minha janela era linda, alegre, cheia de vida. Despertava cedinho, logo ao amanhecer, as folhas verdinhas saudando o sol. Pouco mais tarde, eu acordava e regava a planta com água, que sempre deixava à minha cabeceira. Era o meu bom-dia, a primeira alegria das manhãs, contemplar minha bela e vistosa roseira.

Certo dia, viajei e deixei meu irmão encarregado de regá-la. Quando retornei, as folhas estavam todas secas e as rosas murchas. Minha roseira parecia haver perdido a vontade de viver. Talvez já nem vivesse mais. Meu coração apertou. Esqueci até da satisfação que a "volta ao lar" sempre me traz.

Sem pena, cortei as folhas secas, todas as folhas, e deixei só os frágeis galhinhos verdes, tremelicando como que com frio. Coloquei água até escorrer pelo jarro e adubei o solo. Nada mais podia fazer, a não ser esperar.


A roseira, uma semana depois:

Será que foi minha esperança que lhe devolveu a vida?


* Não poderia esquecer de fazer uma pequena homenagem ao meu amigo ZeH, dos Titaníticos e Semi Ironia, por seu aniversário. Feliz aniversário, ZeH!

* Não perca a continuação do projeto Palavras de Papel.