quarta-feira, 14 de abril de 2010

1/2 ambiente




"As folhas que caem no rio

Terminam nas águas do mar."



Eu sinto falta da natureza, de como ela era antes de ser tão maltratada. Sinto falta do verde que conheci, um dia; mesmo que então já fosse raro. Falta das árvores que foram derrubadas para a construção de um prédio, no lugar da minha antiga casa. Elas, que sempre atrapalharam o progresso, mas que todo mundo se esquece de que estavam aqui antes de nós.

Tenho saudade de brincar ao sol sem me queimar, de esquecer que o sol é fogo, de pensar que ele é apenas uma fonte natural de calor. Sinto falta de passar protetor solar somente para ir à praia e não para sair do carro e andar dez metros até a porta do trabalho. Sinto falta de não temer o sol.

Também sinto falta do ar puro que respirei, um dia. Da água, que azulava o nosso planeta. De olhar pro céu à noite e ver estrelas. Poucos são os lugares onde ainda as conseguimos ver. Sinto falta da chuva fina no inverno e do calor no verão, ao invés desse tempo maluco, das tempestades e enchentes em qualquer época do ano. Sinto falta da imprevisibilidade previsível.

Há quem diga que estamos acabando com o planeta. Não, acabamos com a nossa própria vida. Então, num futuro muito próximo, o mundo ficará livre de nós. E só então estará em paz.


"E vai chover quando o sol se cansar
Para que flores não faltem."

Imagem por: stock.xchng

8 comentários:

Márcia(clarinha) disse...

Desejo que chova paz, que venha tempestade de alegria e um tissunami de civilidade e bom senso para que respiremos ar puro e vivamos sem medo de ser feliz.
lindo dia flor
beijos

Luciano A.Santos disse...

Marina,

Também sinto falta destas coisas, de como eram belas quando passava as férias na fazenda em que minha avó morava, hje por lá só existe cana e mais cana.

É o preço do progresso, mas ninguém nos perguntou se estávamos dispostos a pagar por ele.

disse...

Acho que você nem sente tanta falta do calor do verão :D

Unknown disse...

É como disse o @Cardoso: "O mundo não vai acabar em 2012. No máximo, acaba a humanidade."

Bruno Portella disse...

Pois é. É uma presunção gigantesca do homem achar que tá destruindo o planeta. O planeta vai continuar sempre existindo. Nós é que vamos nos extinguir.

Rebeca Amaral disse...

O planeta é a nossa vida!
É como se estivéssemos cometendo um suicídio, só que aos pouquinhos. E isso o torna mais sofrido.

Thiago disse...

Concordo com a teoria (hipótese de Gaia) de Lovelock (1979) em que a Terra é um imenso e complexo organismo vivo. Por quê? Bem, assim como o sistema imune existe para destruir o que houver de estranho no nosso corpo, o "sitema imune" da terra deve ter algo relacionado às catatrófes por alterações dos ecossistemas, pois, que melhor forma de livrar-se dos seres humanos que se tornaram destruídores do organismo Terra?!
Parabéns pelo texto!
Bjao

Magna Santos disse...

Eu sinto é saudade, Marina.
Beijos.
Magna