segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Escuridão

Não me lembro de quanto tempo passei confinada naquele lugar abafado e claustrofóbico. Perdi as contas quando se acabaram os dedos. Pensei em contar fios de cabelo, mas já tinha arrancado todos. Comecei a contar carneirinhos, mas nem dormir conseguia mais. Dias escuros, que se arrastavam, como se recusando a terminar. Sem dormir nem viver.

Quando, finalmente, consegui fechar os olhos, percebi que a escuridão era tanta que não fazia diferença. Abria, fechava. Nada. Eu, no meu canto sombrio, sem conseguir distinguir uma escuridão da outra. Talvez tenha sonhado de olhos abertos ou vivido de olhos fechados. Não tinha diferença. Vai ver, tenha apenas sonhado que vivia. Ou vinha vivendo a sonhar.

Era a escuridão eterna. Tanto que não acreditei quando vi a luz. Era pouca, mas cegava, de uma maneira que me fez perceber o quanto estive cega durante esse tempo. A gente nunca percebe isso antes de enxergar. Não via nada e, ao mesmo tempo, via tudo. Tudo agora importava, nada mais importava. Tudo tão diferente de antes. Queria que a escuridão nunca mais voltasse.

Mas ela volta. Sempre volta. Um dia, volta.

"Open up your mind, let your fantasies unwind
In this darkness that you know you cannot fight"

Imagem: GettyImages

28 comentários:

tati_nanda disse...

mas quando voltar, você já conhecerá, não será diferente, talvez pior..mas saberá que um dia sairá dela
:)

bjins

http://zonzobulando.blogspot.com

Alisson da Hora disse...

Instigante... ela sempre volta... Teu conto me lembrou muito um conto de um autor brasileiro de ficção-científica,André Carneiro, que se chama exatamente "A escuridão".
Olha aí e me diz depois o que tu achas...

http://www.dubitoergosum.xpg.com.br/fic20.htm

Peterson Quadros disse...

Assim que comecei a ler o texto fiquei a imaginar o que existe além dele, qual foi a intencao...uma dor, esperanca, alegria por ter encontrado algo (que luz foi essa?). Sublime foi esse "conhecer-se"da própria Marina ao saber que essas ondas (luz/escuridao)sempre voltam a quebrar em nossas praias... Obrigado pelo texto...

Fábio Plumari disse...

E nossa vida é feita de luz e sombra. Pensando e desenho é isso que dá o volume, corpo, dá vida ao desenho - aliado as cores claro...
Ou seja, só escuridão não temos desenho, só claridade também não o temos... Busquemos sempre a medida certa pra poder sempre ver o melhor desenho possível sempre. Certo?

Lindo texto!

Beijos

disse...

Ah, lembrei de um monte de coisas diferentes. Desde Nietzsche aos mineiros presos no Chile.

Além da foto que ilustra. Eu tenho uma que lembra ela

Bruno Malveira disse...

Por vezes seus textos deixam a impressão de que vêm do nada e voltam para o nada, mas de certa forma deixam seus rastros.
É interessante viajar nas palavras, imaginando quantas coisas diferentes elas podem significar.

Debzzz. disse...

Olá.
Adorei o texto. Me fez pensar.
Sempre penso nessas coisas.
Beijos

Luciano A.Santos disse...

Mesmo (im)pessoal, trouxe à luz verdades de muitos. Quantos de nós não vivemos, iludidos e nos iludindo, na escuridão???

Belo texto.

D.Ramírez disse...

Acebde a luz...ela nao pode voltar nao.rs
besos

Rebeca Amaral disse...

volta sim. às vezes volta tão forte a ponto de nos deixar cegos.

beijos.

Bruno Portella disse...

Acho que é o melhor texto que você já escreveu. Não tão bom talvez quanto o próximo, mas esse é ótimo.

Que imagens, que uso diferente de alguns momentos. Mto bom!

Só não gostei do final, Mary. Não por que esteja ruim, mas por que termina.

Quero mais.

Aline Veingartner disse...

A gente fica pensando que, quando se acende a luz, não tem mais como apagá-la. Aí, quando menos esperamos, a lâmpada queima, e a gente mergulha de novo no breu. Mas, como disse a Tati, a gente sabe que sairá dela.
Talvez a vida seja isso mesmo, não é?
Uma criança com a mão no interruptor brincando de acender e apagar a luz.

µαri disse...

É...
A escuridão não existe fisicamente... existe a ausência de luz.

Andréia Alves Pires disse...

Ai, que agonia o teu texto. Mas tu tens toda a razão sobre a escuridão. Ela sempre volta. :) Um beijão, querida. A tua interlocução é sempre um presente lá pelo Solstícios. Quando venho aqui me sinto sempre acolhida nas tuas palavras. Adoro.

Baby disse...

A escuridão volta, tal como a noite se sucede ao dia, mas a luz está sempre lá, do outro lado, só temos que fechar os olhos e esperar que ela desponte!

Beijos de luz.

Eduardo Trindade disse...

Nada a ver, talvez, mas eu pensei no momento do parto. Sempre tento imaginar como deve ser este momento para o bebê... Aquele mundo escuro e apertado-aconchegante, depois a claridade que queima. Não é à toa que chora: surpresas assim assustam.
Enfim... Luz para ti, amiga!

Frederico Toscano disse...

Ei, obrigado pela visita e pelo comentário!
Ótimo texto esse...mas agora vou dormir de luz acesa e a culpa é SUA!
Meus advogados entrarão em contato.
;)

http://oblogdareclamacao.blogspot.com/

Sidarta disse...

Frustra-se a vela acesa quando volta a energia.

George Marques disse...

Se a escuridão volta, a luz pode voltar também. A esperança é a última que morre.

O gerente disse...

ei.. eu ate tenho um medo do escuro.. mas por favor, nao conte pra mais ninguem nao, viu?

beijos!

Jéssica A. disse...

Geeente. Eu me lembrei de Ensaio Sobre a Cegueira quando li seu texto, M. Ao contrário da Cegueira Branca de Saramago, esta é negra, mas não deixa de ser perturbadora.
De qualquer forma, ambas nos permitem valorizar o que importa nessa vida.
Confesso, sem vergonha nenhuma que gostaria de ter uma cegueira negra dessa, por um dia, talvez dois. Só pra ver e querer da vida o que realmente é importante e merece atenção.

Eu tenho medo do escuro, vale ressaltar. HAHA.

Um beijo grandão, M.
:)

Camila disse...

Volta e meia a escuridão me pega, e eu não gosto nem um pouco dela.

oescafandrista disse...

Se podes olhar, vê. Se podes ver, repara.

Frederico Toscano disse...

Roubei um post teu e botei no meu blog.
;)

http://oblogdareclamacao.blogspot.com/

Bruno disse...

Irônico como às vezes a gente precisa de uma temporada no escuro pra ver como brilha forte a luz...

Katia Bonfadini disse...

Oi, Marina! Você escreve muito bem, menina! Admiro demais quem tem esse dom. Seus textos são fortes e intensos! Parabéns pelo talento!!!!! Beijão!

Ygo disse...

Atualmente estou quase no escuro. :s

Dexter disse...

Sabes que a escuridão sempre volta, entã mantenha uma lanterna sempre à mão.
Bjs!