segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Descoberta

Depois de passar tanto tempo com gente à sua volta, ela desfrutava um pouco dos seus próprios pensamentos. Coisa que raramente conseguia, nos últimos dias. Não tanto pela presença constante dos amigos, que era confortante, mas pela falta de vontade de ficar só.
Teria acabado tudo antes; mas, por conveniência, costume ou outra desculpa qualquer, permitiu que durasse mais. Namoro de muito tempo tem disso; você termina confundindo coisas simples, como respeito e admiração com amor, intolerância com TPM. Passara uns bons meses pesando os próprios sentimentos, sem conseguir confiar nas próprias decisões e só agora, semanas depois do fim, tinha plena certeza de que estivera certa.
Liberdade: linda, promissora. Ainda que intimidante. Depois de passar tanto tempo se aborrecendo com a própria presença, ela descobria que podia ser feliz sozinha.

"Quem foi que disse que é impossível ser feliz sozinho?"
#MemeDasAntigas: Dia 20/12 – Em 2010 eu descobri que...
Imagem: GettyImages

2 comentários:

Larissa Bohnenberger disse...

Amém! Essa descoberta eu já fiz há tempos. Somente depois de aprendermos a ser feliz sozinhos é que estaremos preparados para dividir esta felicidade com outra pessoa.

Bjs!

Leila disse...

Ahhh, é tão difícil descobri-la, mas tão gratificante encontrá-la! Essa liberdade escondida atrás do costume e da zona de conforto! É mais ou menos como na teoria da caverna de Platão, né? A gente fica cega e de mãos atadas e, depois de um tempo, é como se a realidade fosse essa. Adorei! Parabéns!