sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Depois

Os primeiros segundos depois de acordar são sempre os piores. É quando todas as lembranças atacam por todos os lados, de uma só vez, como se tivessem intenção de causar uma parada cardíaca no indivíduo. A sensação devia ser a mesma, porque tudo o que eu queria era arrancar meu coração fora. O ar faltava. O estômago embrulhava. As lágrimas não paravam. Nunca entendi por que precisava ser tão dolorido.

Era difícil. Era pesado. O frio, a dor, a gente pensa que nunca vai passar. A dor é quase física, mesmo que não dê para apontar onde está doendo. A gente só sabe que dói tudo. Dói muito. Vontade de voltar a dormir, sumir do mundo, até ela passar. Mas ela não passa. Pelo menos, não enquanto a gente está prestando atenção.

A primeira resolução era de nunca mais tentar. Nunca mais permitir que sua própria felicidade dependesse de outra pessoa. A única responsável pela minha felicidade devia ser eu. Eu, que tenho o poder de fazer besteira e de me fazer sofrer, mas eu também sou a pessoa que nunca vai embora. Eu nunca vou me perder de mim mesma. Eu posso confiar em mim. E eu confiei. Confiei que ia sair dali mais uma vez.

E, um dia, tudo passou. E a gente levanta, recomeça. Tenta de novo. Porque a gente pode perder tudo, do coração à cabeça. Mas uma coisa que a gente nunca perde é a esperança.

"Hei de ser feliz também, depois"


--
Essa postagem faz parte da Blogagem Coletiva de setembro do Blogs Up: "A vida pós pé na bunda".

https://www.facebook.com/groups/blogsup/

5 comentários:

Allana Império disse...

Ah o pé na bunda! Não sei o que é pior, levar um ou TER, sim isso mesmo, que dar um. Agente sofre até achar que não poderia mais, mas depois, fica tudo tão leve que já não sobra espaço para a dor.

:)

Blog Insaturada
Facebook
Instagram do blog
Instagram Pessoal

Priscila Gonçalves disse...

Lindo texto. Me fez lembrar de um passado. Foi tão dolorido mesmo, tão difícil de recuperar. Mas é incrível como que o tempo é capaz de curar as feridas, ainda que devagar. Me encontrei bastante no texto.

Beijos flooor

Marina disse...

Allana, já tive que acabar com alguém que eu gostava. É bem difícil, mas quem melhor que a gente sabe o que é melhor, não é?

Priscila, o tempo às vezes é a única rocha que a gente tem pra se agarrar. The show must go on.

=**

Lihz Stos disse...

Que lindo! Não me permito namorar pois tenho uma cabeça "bagunçável" de mais e também pra evitar a fadiga de um relacionamento hahaha

Marina disse...

Lihz, eu só namoro quando não dá mais pra adiar, sabe? Hahahaha